quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Tristes Lembranças

Não sou absolutamente nada adepta de grandes posts, bem pelo contrário.
Este será uma excepção, pois sinto que tenho muitos leitores que gostam de mim e quero partilhar com todos vocês, uma passagem da minha vida, para que fiquem a conhecer um pouco mais da minha pessoa.


Desejar um filho, planear a sua concepção, a sua chegada, é a maior e melhor experiência que um casal pode viver.
Uma gravidez mais que desejada, acompanhada, vigiada, sem que houvesse motivos para preocupações, pois os dois são saudáveis e não têm  qualquer tipo de dependência de drogas ou álcool.
Análises, ecografias tudo foi feito e tudo indicava que viria ao Mundo saudável  e perfeito.
Quando chegou a altura de nascer, a criança veio com um problema grave (mielomeningocele) malformação que vulgarmente se chama de Spina bífida, com prognóstico muito reservado.
Os médicos garantiram que nunca viria a andar, teria de ser submetido a várias operações, durante a fase de crescimento iria ter hidrocefalia (cabeça anormalmente grande), e a nível cerebral era uma incógnita, pois tinha sofrido uma anóxia grave (falta oxigénio no cérebro)  no momento do parto.
Este é um tema muito sensível e muito discutível, quanto à operação ou não, dum bebé com todos estes problemas.Não é disso que venho falar.
Os médicos explicaram-nos como seriam as operações, os pós operatórios, as consequências, os imprevistos, e o que nos esperava dali para a frente.
A frase que ainda retenho e recordo foi:
"O bebé com que sonharam tem de ser enterrado,  este é agora o vosso filho."
Um grito surdo de dor e revolta percorreu o meu corpo, a minha garganta não aguentou e chorei como uma criança.
Tudo me parecia uma mentira que tinha vivido durante nove meses.
Não peguei no meu filho, não o pus ao meu peito, não o abracei, não o beijei e não lhe dei colo, não lhe mudei uma fralda  não o adormeci com o calor do meu corpo, tudo o que tinha sonhado, não tinha passado disso mesmo, um sonho. Não sentia que tinha sido mãe, tinha um  filho, mas não me senti na plenitude que mais tarde vim a saber o que era.
Então todos os exames que fiz e que guardo ainda hoje, onde está escrito pela mão do médico "coluna vertebral normal" não eram meus? Onde errámos? E a responsabilidade do médico que sempre me acompanhou?
Foram os dias mais difíceis e mais duros da minha vida, só queria morrer, e acordar para me dizerem que estava a passar por  um pesadelo.
Esteve três meses no hospital a lutar entre a vida e a morte,foi observado e avaliado pelo Prof.  Dr. Gentil Martins, o qual deixou a opção, de o operarmos ou não,  nas nossas mãos,(tal era a gravidade da situação).
Nunca, nem eu nem o meu marido vacilámos, os nossos sentimentos estavam mais unidos que nunca, as nossas convicções ficaram mais fortes e a família apoiava a nossa decisão de não o operarmos.
Deus, teve compaixão dele e levou-o certamente para um lugar melhor daquele que o esperava em vida, não tenho duvida.
Ainda hoje a escrever estas palavras me caiem  lágrimas, de dor e revolta, por a vida me ter feito tamanha partida naquilo que eu mais queria e que durante tantos anos sonhei, que era ser mãe.
Valeu-me o amor do meu marido que foi incondicional, revelando ter uma enorme paciência e  dedicação,  quando ele tinha também a sua dor. Reconheço, que ele me deu muito mais apoio do que eu lhe dei a ele.
Nada me interessava, simplesmente, comia, dormia, e ia ao hospital ver o meu filho.
Chegava a casa, deitava-me e nada mais me importava.
Só queria morrer com ele.






29 comentários:

  1. Não imagino a dor do que passaste... Já soube de casos inversos, em que diagnosticaram problemas graves aos fetos, e depois nasceram crianças perfeitas. Há sempre aquela velha máxima que dá vontade de bater quando ouvimos "foi melhor assim!"... Não foi, e sei o que sentes. Felizmente tens o apoio do marido, que nestas situações é fundamental. Um beijinho enorme para ti.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pelo testemunho!
    É dificil evitar as lágrimas.
    Deus cuidou dele e deu-vos três marivalhosas filhas, para acalmar o sofrimento do...(como se chamava?)

    ResponderEliminar
  3. :( Que post, minha querida.

    Eu estou a pensar engravidar no próximo ano e fico muito sensibilizada com estes temas, sinceramente.

    Tenho muita pena pelo que te aconteceu. Imagino que a morte de um filhos nos marque para sempre. E lamento que não tenham detectado o problema nas ecografias e tenhas passado por tudo isso.

    Mas não desanimes. Terás outros filhos, lindos e saudáveis e realizar-te-ás como mãe. Não desistas.

    Um grande beijinho.
    S.

    ResponderEliminar
  4. Fiquei de coração apertado ao ler-te.
    Não consigo imaginar o tamanho da dôr, que ainda hoje certamente carregas. Creio que nenhum filho é substituído por outro e esse vazio vai certamente permanecer.
    Obrigada pela partilha de algo tão íntimo e profundo.
    Beijos grandes

    ResponderEliminar
  5. Fiquei sem palavras... Nem consigo imaginar a dor que sentias(sentes)...

    Um grande beijinho...

    ResponderEliminar
  6. Que história triste, nem sei o que dizer :( Foste uma lutadora e de certeza que foste forte o suficiente para ultrapassar tudo e ser feliz! Ainda bem que o teu marido esteve sempre do teu lado, foi um grande homem! Bjinhos e força!

    ResponderEliminar
  7. Li as suas palavras com muita emoção. E a dor que sentiu é do pior. Apenas lhe mando um grande abraço com muito carinho.

    ResponderEliminar
  8. Que dor uma mãe deve sentir, numa altura dessas, não consigo imaginar , não consigo sequer reter a não ser as minhas lagrimas que derramo eu neste momento.
    Sou Mãe e espero um filho e desejo que tudo esteja bem, tenho receios, tenho medo, só o quero bem ao meu colo, abraçar e amamentar com todo o amor que tenho!

    ResponderEliminar
  9. Amiga, já tinhamos falado, e mais uma vez te digo, agora mereces ser muito feliz, porque eu acredito que depois de algo mau vem algo muito bom.E depois de tudo o que passate, tu mereces ser muito feliz com as tuaslindas filhotas.
    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  10. Bem querida deve ter sido ( e é) uma situação bastante complicada.. só quem passa por isso é que sabe..

    kisses***

    ResponderEliminar
  11. ...(porque às vezes não há palavras)

    ResponderEliminar
  12. NightDark - o meu filho teve o nome de Tiago Ramsés.

    ResponderEliminar
  13. O Blog de S - Querida Deus deu-me três filhas maravilhosas.

    ResponderEliminar
  14. Ana Santos - O teu filho virá ao Mundo saudável.
    São episódios infelizes que todos de uma forma ou de outra vivemos na vida.
    Boa sorte para o bebé que vais pôr no Mundo.

    ResponderEliminar
  15. Há dores que moram sempre dentro de nós... passe o tempo que passar.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  16. um beijito simplesmente e muita força!!!

    ResponderEliminar


  17. Li as palavras com emoção. Não tivemos filhos…imagino a dor…
    Tens 3 lindas princesas.

    A presença do teu marido nesse momento, homem extraordinário.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  18. São relatos como estes que nos fazem agradecer a Deus todos os dias pelos filhos saudáveis, e perguntar o que é que fizémos de bom em relação a outros pais, para merecermos esta benção.
    Obrigada pelo testemunho!

    ResponderEliminar
  19. Foi uma situação muito complicada de facto, que pareces ter ultrapassado da melhor maneira possível, tendo em conta as circunstâncias difíceis. E é só mesmo isso que se pode fazer numa situação dessas, ultrapassar da melhor maneira que nos for possível! E agora tens as tuas filhas :)
    Bj S

    ResponderEliminar
  20. nem consigo imaginar pelo que passaste... um beijo do tamanho do mundo

    ResponderEliminar
  21. Nem sei bem o que dizer, nem dá para compreender esses erros médicos, não dá mesmo. Deve ter sido um periodo muito dificil mas ainda bem que Deus trouxe-te três filhas e tens um marido e familia que te apoia.

    Abracinho apertado*

    ResponderEliminar
  22. Sabes, já tinha reparado num post que escreveste há algum tempo que alguma coisa se tinha passado contigo (convosco) na altura em que decidiram ter filhos. Só não sabia o quê, e fiquei de coração partido ao ler este teu post. É uma das alturas em que me apetecia dar-te um grande abraço, mesmo tendo sido há tanto tempo e mesmo tendo tu agora três lindas meninas em casa. Deve ser uma dor que nunca se esquece, que nunca deixa de se sentir. Que as coisas boas sejam sempre maiores que esse sentimento triste que terás sempre com essa memória. Beijinho grande!!!

    ResponderEliminar
  23. Imagino a tua dor e a tua força para superar tudo isso, imagino mesmo, e dá-me uma dor no coração!
    És uma grande mulher amiga!
    Beijinho e força e que a vida te dê muitas alegrias!

    ResponderEliminar
  24. minha querida amiga........lágrimas correm na minha cara....
    nem consigo sequer dizer que lamento porque isso é pouco...e nao tenho palavras para este sofrimento....
    Entendo-te...e sei o que dizes que só querias que DEUS te levasse com ele
    um beijo do meu tamanho

    ResponderEliminar
  25. Só quando passamos pelas coisas é que podemos dar valor a pequenas coisas. Não sei porque a vida é tão madrasta com pessoas boas!
    Ainda bem que se mantiveram unidos, é fundamental.

    Grande beijinho, és uma valente.

    ResponderEliminar
  26. Não sei o que dizer e se tivesse de falar neste momento não conseguia com o aperto que tenho na garganta.
    Boa sorte para as outras três meninas, para ti e para o Pai.

    ResponderEliminar
  27. Fiquei arrepiada e emocionada de ler a vossa história. A dor vai passando mas ficam as memórias. Felizmente, a vida deu-te 3 presentes maravilhosos. Um beijinho

    ResponderEliminar